Produto - Moto vira negócio da China

Parceria entre empresas brasileiras e fabricantes de motocicletas chinesas modifica mercado de duas rodas com chegada de novas fábricas e importadores, em breve

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 01/07/2007 22:22 Téo Mascarenhas /Estado de Minas
Green Easy de 100 cm³ de cilindrada estará disponível em concessionárias da marcas - Green Motos/Divulgação Green Easy de 100 cm³ de cilindrada estará disponível em concessionárias da marcas
Produtos chineses são anunciados por todos os lados. Na indústria de duas rodas não é diferente. Cerca de 10 grupos nacionais se associam às fabricantes chinesas e preparam para o último trimestre deste ano e início de 2008 uma invasão de motocicletas de baixa cilindrada e scooters no mercado nacional (ler quadro). A maior representante dessa onda amarela tem o respaldo do grupo Itavema, que pelo seu braço, a Dafra, negocia com três grandes fabricantes chineses. De acordo com o diretor comercial, Haroldo Barroso, serão produzidas motocicletas entre 100 cm³ e 250 cm³ de cilindrada. Barroso não revela o investimento, mas estima-se algo acima de US$ 10 milhões.

O mistério se deve à imensa concorrência sedenta em um mercado vigoroso. De acordo com a Associação Brasileira dos Fabricantes de Motocicletas e Motonetas (Abraciclo), a produção saltou nos últimos 10 anos de 426.547 unidades, em 1996, para 1,413 milhão de unidades, no ano passado, o que representa um aumento de 3,3 vezes. A frota nacional é de 7,5 milhões de unidades de motocicletas e espera-se para este ano crescimento de 13% em relação ao ano passado.

O grupo Itavema é uma das maiores redes de concessionárias multimarcas do país, com lojas em todo o território nacional, incluindo duas revendas da Yamaha. Barroso não revela qual o grupo chinês que a fábrica - em construção em Manaus - usará tecnologia. Porém, um dos mais cotados é o grupo Lifan, o mesmo que quando chegou à Indonésia e à Argentina deu trabalho aos japoneses da Honda e da Yamaha. A construção da fábrica começou em fevereiro e será concluída em agosto. "Estamos preocupados em ter uma estrutura enxuta, um custo de produção pequeno, mas com qualidade", afirma Barroso.

Outro grupo empresarial que vê o pote de ouro no oriente das motos chinesas é o Rodobens - entre os 100 maiores do país - que neste mês iniciou a importação de motos chinesas Shituma. A comercialização será feita pela Green Motos, concessionária de motocicletas do grupo Rodobens. O diretor-geral da Green Motos, Mário Zidan, explica que o objetivo é importar 20 mil unidades no período de três anos. Zidan lembra que o grupo escolheu aquele que pudesse atender as condições do mercado brasileiro. "As motos chegam prontas, mas estão com a marca Green e com exigências pedidas para o perfil nacional", afirma Zidan.

O diretor-geral da Green explica que a intenção, por enquanto, não é construir uma fábrica no Brasil. "Ainda é cedo e essa é tendência de mercado, pois a grande montadora primeiro traz o importado e depois analisa a possibilidade de montar fábrica", avalia. Em julho, será inaugurada a concessionária Green Motos em Belo Horizonte, que venderá quatro modelos chineses: Green Easy de 100 cm³ (R$ 3,9 mil), Green Runner de 125 cm³ (R$ 3,9 mil), Green Sport de 150 cm³ (R$ 4,5 mil) e Green Safari de 150 cm³ (R$ 5,6 mil).

FEBRE AMARELA
A Kasinski fez acordo com a Lifan, maior produtor de motores da China.
A Traxx, antiga Jialing, monta rede no Nordeste e constrói fábrica em Manaus, com 50 mil metros quadrados e investimento de US$ 5 milhões.
A Fei Ying Motor (FYM) opera pequena rede em São Paulo e investe US$ 3 milhões.
A Jiangsu Creative Motorcycle produz scooters elétricos com a marca Motor-Z, do grupo Zeppini, que pretende investir US$ 2 milhões.
A MVK (Maverick na Argentina) tem pequena rede no Brasil.
A Garini, que apesar do nomeitaliano utiliza tecnologia chinesa, comercializa sete modelos de motos e scooters, e foi vendida para o grupo de transportes Itapemirim, que quer ampliar participação.
A Sundown utiliza tecnologia da chinesa Qingqi e é a brasileira que mais cresce, com 4,9% do mercado.
Miza tem cinco revendas no Brasil e comercializa clones da Honda ML dos anos 80.
O Amazonas voltou ao mercado com motos de pequeno porte da Loncin da China.
A Dayang estuda implantação de rede em Florianópolis.
A Vento tem origem americana, mas produz suas motos na China e importa para o Brasil.

Leia mais sobre motos chinesas no "Veja Também", no canto superior direito desta página.
Comentários Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação
600
Encontre seu veículo
O ano inicial não pode ser maior que o ano final.
O preço inicial não pode ser maior que o preço final.

Refinar busca

Ultimas Notícias

ver todas
23 de agosto de 2015
10 de agosto de 2015
29 de julho de 2015
26 de julho de 2015
14 de julho de 2015