Dia Nacional da Kombi

Kombi: eterna e apaixonante

Ícone da indústria automotiva, veículo comemora 60 anos de produção com mais de 31 mil veículos ainda em circulação só em Pernambuco. Quem nunca andou em uma?

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 02/09/2017 13:53 Thainá Nogueira /Diario de Pernambuco


Originalmente azul, a Kombi de Felipe é de parar o trânsito - Cangaceiros/Divulgação Originalmente azul, a Kombi de Felipe é de parar o trânsito
 

 

O dia 2 de setembro pode parecer um dia comum. Mas nessa data, em 1957, a primeira Kombi foi produzida na planta da Volkswagen em São Bernardo do Campo (SP). Foi o início do legado do veículo. Se a montadora esperava a total consagração do utilitário no mercado, nunca saberemos, mas o fato é que mesmo depois de seis décadas, mais de 31 mil Kombis circulam atualmente em Pernambuco.


A aniversariante deu adeus à linha de produção em 2013 com a versão Last Edition, que chegou a ser vendida por até R$ 85 mil. O Brasil foi o último país a fabricar o carro. O modelo é considerado o precursor das vans de passageiros e cargas.

 

Advogado investiu cerca de R$ 40 mil para restaurar o veículo - Cangaceiros/Divulgação Advogado investiu cerca de R$ 40 mil para restaurar o veículo
 


Sua motorização merece destaque. Durante 50 anos, o motor que equipou o veículo no Brasil foi o tradicional boxer com refrigeração a ar, simples e resistente. O interessante do modelo é que, por várias vezes, a durabilidade do propulsor superava em muito todos os outros componentes do carro. Por isso, não é difícil encontrar pelas ruas do Brasil Kombis com a lataria um tanto quanto desgastada, porém com o motor funcionando perfeitamente.


O comerciante e também amante de carros antigos, Antonio Bezerra, lembra que a Kombi é um veículo fundamental para quem trabalha no ramo. “É um auxílio no transporte. O mercado certamente está sentindo falta de veículos como esse”, afirma.

 

Para-brisa %u201Cbasculante%u201D é uma das características  - Cangaceiros/Divulgação Para-brisa %u201Cbasculante%u201D é uma das características
 

 

O fim da linha de produção, no entanto, não está diretamente ligado ao fim da vida do utilitário. Exemplo disso é que o advogado Felipe Ferrer comprou em 2012 uma Kombi produzida em 1975. “Assim que comprei, investi cerca de R$ 40 mil para restaurar esse carango e isso levou um ano. Então, de 2013 para cá só desfilo com ela”, afirma. Felipe modificou desde a cor, que originalmente era azul, até o motor. “Eu troquei quase todos os itens. Agora, por exemplo, o motor dela é um 1.8, o original era um 1.5”, comenta. O uso do utilitário nas mãos de Ferrer é, sobretudo, para viagens e participações de eventos de carros antigos. “Minha relação com essa Kombi é um caso de amor que merece - e muito -  exibições”, completa. 

 

 

Encontre seu veículo

Últimas notícias

ver todas
26 de setembro de 2017
25 de setembro de 2017