Publicidade

Estado de Minas TECNOLOGIA

Alunos da UFPE desenvolvem protótipos com inovações na área mecânica

Estudantes criam modelos automotivos adaptados para vários terrenos


postado em 01/03/2019 15:53 / atualizado em 01/03/2019 16:11

Mangue Baja é um grupo formado por 26 alunos da UFPE, e há 20 anos se reúne para desenvolver veículos. FOTO: Danilo Aguiar / Mangue Baja / Divulgação (foto: Mangue Baja é um grupo formado por 26 alunos da UFPE, e há 20 anos se reúne para desenvolver veículos. FOTO: Danilo Aguiar / Mangue Baja / Divulgação )
Mangue Baja é um grupo formado por 26 alunos da UFPE, e há 20 anos se reúne para desenvolver veículos. FOTO: Danilo Aguiar / Mangue Baja / Divulgação (foto: Mangue Baja é um grupo formado por 26 alunos da UFPE, e há 20 anos se reúne para desenvolver veículos. FOTO: Danilo Aguiar / Mangue Baja / Divulgação )
Não é novidade que o setor automotivo vem passando por grandes transformações. Muitas delas devem-se à evolução tecnológica atrelada às tendências do mercado, bem como inovações que surgem constantemente, entre outros motivos. A equipe Mangue Baja,  projeto de extensão da Universidade Federal de Pernambuco (UFPE), segue esse fluxo. Completando 20 anos de atividade, o grupo, composto por 26 estudantes das engenharias e também design, projeta e desenvolve protótipos de estrutura tubular em aço, monopostos, para uso fora de estrada, com quatro rodas e motor padrão de 10 HP, além de sistemas de suspensão, transmissão, freios e o próprio chassi.  

Desde o início das atividades, 45 protótipos já foram desenvolvidos. De acordo com o líder da equipe, Diogo Henrique, o projeto é dividido em fabricação, montagem e relatório de apresentação. “Trabalhamos o máximo que podemos nos veículos, sem alterar as normas estabelecidas nas competições. Desenvolvemos o projeto teórico e, além disso, tratamos dos componentes para serem divulgados afora”, completa. 

A escolha do design dos veículos segue as normas estabelecidas na Sociedade de Engenheiros Automotivos (SAE). “Na arte fazemos desenhos que remetem à cultura regional a fim de valorizar a cultura local”, diz Diogo. 

Esse ano, durante um evento do segmento, o grupo revelou projetos de inovações na área mecânica. Trata-se de um novo sistema de freio, com distribuição de força para os eixos de forma mais eficaz. “Com isso, conseguimos fazer uma regulagem dos freios via Balance-bar e distribuir a força tanto para o sistema dianteiro quanto para o traseiro separadamente, independente do tipo de terreno em que o veículo transita”, explica o líder. 
Já foram desenvolvidos 45 protótipos ao longo de 20 anos. FOTO: Eliane Doerthy / Cortesia (foto: Já foram desenvolvidos 45 protótipos ao longo de 20 anos. FOTO: Eliane Doerthy / Cortesia )
Já foram desenvolvidos 45 protótipos ao longo de 20 anos. FOTO: Eliane Doerthy / Cortesia (foto: Já foram desenvolvidos 45 protótipos ao longo de 20 anos. FOTO: Eliane Doerthy / Cortesia )

Sem fins lucrativos, o projeto se mantém com o incentivo da reitoria da UFPE e com o patrocínio de empresas interessadas em promover o desenvolvimento acadêmico dos participantes que têm, nesta competição, a oportunidade de interagir com estudantes de todo o país e desenvolver a capacidade de trabalhar em equipe, além do alto grau de conhecimento técnico obtido. Para o gestor de pessoas, Gabriel Santiago, o projeto é mais que uma simples extensão acadêmica. “Além de proporcionar o conhecimento técnico, o caráter profissional também é algo que se leva para toda a vida. Precisamos lidar com várias cabeças, vários perfis. Não há experiência melhor”, conclui. 

Os comentários não representam a opinião do jornal e são de responsabilidade do autor. As mensagens estão sujeitas a moderação prévia antes da publicação

Publicidade