Saúde

Sono e fadiga são a terceira maior causa de acidentes; veja como evitar

Estudo da Associação Brasileira de Medicina de Tráfego mostra a relação direta entre o número de horas dormidas e o risco de se acidentar

INFORMAÇÕES PESSOAIS:

RECOMENDAR PARA:

- AMIGO + AMIGOS
Preencha todos os campos.
postado em 29/10/2018 11:42 / atualizado em 06/11/2018 10:15 Diario de Pernambuco
No Brasil, 60% dos acidentes rodoviários envolvendo motorista profissional, com carteiras de habilitação C, D e E, são causados por sono e fadiga - 	Paulo Paiva/DP No Brasil, 60% dos acidentes rodoviários envolvendo motorista profissional, com carteiras de habilitação C, D e E, são causados por sono e fadiga
 
 
Quem depende do veículo para trabalhar sabe bem que o corpo e a mente cansados são os principais vilões da atenção nas ruas. Para quem dirige à noite, esse problema se torna bem maior, chegando a ser responsável por 60% dos acidentes.

Biologicamente, o corpo precisa do tempo de descanso para trazer benefícios como a redução do estresse, controle do apetite, melhora no humor e na memória. Um dos hormônios liberados durante o sono é a melatonina, responsável por regular o tempo de repouso e reparar as células expostas a estresse, poluição, entre outras.

A privação do sono é mais prejudicial do que se imagina. Sem falar nos problemas para o corpo como aumento do estresse e perda de memória, quem dirige um veículo com o nível de melatonina alto corre um grande risco de causar e sofrer acidentes.

A privação do sono é capaz de atingir os sistemas imunológico e hormonal de forma negativa. A falta do descanso ainda é responsável por não restabelecer os neurotransmissores e ocasiona a falta de concentração, atenção, raciocínio e, para os condutores, a diminuição das atividades necessárias para conduzir um veículo.

Segundo um levantamento da Abramet (Associação Brasileira de Medicina de Tráfego), no Brasil 60% dos acidentes rodoviários envolvendo motorista profissional, com carteiras de habilitação C, D e E, são causados por sono e fadiga. Se levar em consideração todos os acidentes ocorridos em rodovias e áreas rurais e urbanas, esses fatores são a terceira maior causa de acidentes no país, perdendo apenas para a junção entre álcool e direção e o excesso de velocidade.

Um estudo desenvolvido pela associação, o Não dê Carona ao Sono, mostrou que a relação entre a quantidade de horas dormidas e o tempo em que se está dirigindo influencia diretamente na qualidade da condução. Quanto menos horas dormidas, mais chances de causar acidentes. Se o condutor dormir cinco horas e meia, a chance de ele causar algum acidente no trânsito é 10 vezes maior em relação a quem dormiu as oito horas recomendadas. Se dormir apenas quatro horas e meia, o risco aumenta para 12 vezes, e quando as horas de sono chegam a apenas três horas e meia, o perigo cresce para 20 vezes.

Para evitar esse perigo, existem algumas recomendações que podem ser seguidas. Dormir a cada 14 horas e ter uma noite de sono entre sete e oito horas seguidas é uma das mais importantes. Uma pessoa que está acorda da há mais de 20 horas é comparada a uma pessoa embriagada. Alternativas para driblar os efeitos do sono como tomar café, ligar o rádio e o ar condicionado são capazes de deixar o condutor alerta por apenas poucos instantes, mas não é possível evitar o cansaço indefinidamente. O que pode complicar mais ainda é que o condutor pode não perceber quando o método utilizado para driblar o sono para de fazer efeito.

De acordo com a Polícia Rodoviária Federal (PRF), somente no ano passado o número de acidentes causados por motoristas que dormiram ao volante chegou a 3.796, que mataram 371 pessoas e deixaram 3.629 feridas. O problema com o sono e o volante afeta, principalmente, os condutores de veículos de transporte rodoviário coletivo de passageiros ou de cargas. O indicado é não dirigir por mais de cinco horas e meia ininterruptos com, no mínimo, 30 minutos de descanso para quem transporta carga. Para quem realiza transporte de passageiros, no mínimo 30 minutos de descanso a cada quatro horas no volante.
 

Tags: Associação Brasileira de Medicina de Tráfego sono fadiga cansaço volante direção carro veículo dormir

Encontre seu veículo

Veículos

Últimas notícias

ver todas
19 de novembro de 2018

Queremos sua ajuda para deixar a experiência no VRUM ainda melhor! Participe Participe